type='text/javascript'/> {lang: 'en-US'}

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Conectivo Nozes


GRUPO DE PESQUISA DRAMATURGIA DO CORPOESPAÇO 

O Grupo de Pesquisa Dramaturgia do CorpoEspaço  nasceu em 2010 como primeira ação do Curso de Bacharelado em Dança da Universidade Federal de Uberlândia, que seria implantado em 2011. O grupo, iniciado pela Profa. Dra. Ana Carolina Mundim, com o nome inicial de "Grupo de Pesquisa Dramaturgia do Corpo-Espaço e Territorialidade", tem como foco de estudos o Corpo-Espaço e suas possibilidades técnico-criativas na dança contemporânea, especialmente na improvisação e na composição em tempo real. Neste contexto, foi premissa do grupo, desde seu início, a busca pelo diálogo com outras áreas de conhecimento, ampliando conceitos e práticas a partir da interdisciplinaridade. Composto por docentes, discentes e técnicos, o grupo reúne, além de integrantes do Curso de Dança, pesquisadores das áreas de Arquitetura, Música, Física Mecânica e Teatro. As contribuições teórico-práticas trazidas por estes indivíduos com perspectivas tão distintas redimensionam as relações estabelecidas e criam uma rede de possibilidades híbridas nos processos e resultados obtidos por nossos estudos.
Entendemos a Dança como um ponto de encontro. Nossos encontros são permeados por discussões teóricas a partir da leitura de textos (livros e/ou artigos), por apreciação estética por meio de vídeos e por experimentações a partir de práticas corporais. As práticas percorrem o universo da dança contemporânea, tendo como base proposições de frases de movimentos e improvisações orientadas, jam sessions e jogos de percepção coletiva. A apreciação de vídeos ocorre para compartilhar referências que se aproximam do nosso campo de estudos, seja por meio de espetáculos, filmes, documentários ou entrevistas. As discussões teóricas tem sido baseadas na leitura de livros, previamente escolhidos pelo coletivo, que discorrem sobre a expressividade do corpo em cena, sobre aspectos do corpoespaço, sobre procedimentos técnico-criativos e sobre metodologias de trabalho em dança. Dentre os livros estudados estão: Cartas para Noverre, de Mariana Monteiro; Domínio do Movimento, de Rudolf Laban; Teatro do Movimento, de Lenora Lobo; Fenomenologia da Percepção, de Mearleau-Ponty. Durante o estudo dos livros, trazemos artigos e textos complementares sobre os assuntos, especialmente para nos aprofundarmos nos estudos dos conceitos que orientam a nossa pesquisa: dramaturgia; corpo-espaço; territorialidade; improvisação em dança.

CONECTIVO NOZES

O Conectivo Nozes é um braço de extensão do grupo de pesquisa Dramaturgia do CorpoEspaço. O agrupamento artístico surgiu pela necessidade de realização e circulação de produções artísticas, do desejo de proporcionar ações de compartilhamento (promover eventos, encontros, residências, oficinas, apresentações) e pela iniciativa de realizar práticas pedagógicas junto a escolas públicas. Além disso, o Conectivo também produz artigos acadêmicos, livros, documentários, entrevistas e a organização de materiais de pesquisa.

MOVÍVEIS

O Grupo de Pesquisa Dramaturgia do CorpoEspaço organizou procedimentos de trabalho para experimentações práticas, denominados Movíveis. Os Movíveis se organizam a partir de três eixos: 1) estruturas de movimento (pontos, retas, círculos, espirais, alavancas); 2) recursos de jogo (coincidência, equivalência, bloqueio, pergunta no ouvido, ênfase); 3) comandos (para, repete, continua, rebobina, deleta). Os desdobramentos possíveis a partir de cada componente desses eixos provocam uma ampla gama de possibilidades técnico-criativas que, se minuciosamente estudados, estabelecem instrumentais que podem ser acionados em processos de improvisação ou em composições coreográficas pré-estabelecidas. Compreender como extrapolar estes estudos e redimensioná-los poeticamente só é possível se eles se tornam orgânicos pela produção de saber oriunda da pesquisa.

1 comentários:

  1. Fui aluna, amizade com a coreografa Silvia Moura, depois fundei Grupo Afro Bérè, Artes Cênicas e danças afro indíginas em Fortaleza, quilombos!

    ResponderExcluir